Os 3 ingredientes de qualquer hábito

Este é o 2º e-mail sobre a C.A.B.I.N.E. Se você gostar, pode ler a sequência completa aqui.

Vou usar uma história que aconteceu comigo anos atrás durante um voo para ilustrar os 3 ingredientes de qualquer hábito.

Domingo, 23 de junho de 2013.

Copa das Confederações no Brasil.

Um dia antes, no sábado, a seleção tinha ganhado de 4 a 2 da Itália na Arena Fonte Nova, em Salvador.

Brasil em festa.

Hoje, os jogadores viriam para Belo Horizonte, pois o próximo jogo era no Mineirão contra o Uruguai.

A muitos quilômetros dali, eu estava passando um final de semana tranquilo em São Paulo…

… e também voltaria para Belo Horizonte no domingo.

Mal sabia eu que os nossos destinos se cruzariam.

Nessa época, eu já tinha checado todas as carteiras (PC/MLTE…). E, como estava viajando sozinho, pedi para o comandante se podia ir na cabine.

Pra minha felicidade, ele aceitou.

Lá fomos nós. Embarque encerrado, portas fechadas, before start checklist, pushback, acionamento, decolagem, subida… Tudo normal.

Voo tranquilo.

50 minutos depois, pousamos no aeroporto de Confins.

O comandante livrou a pista e foi instruído a taxiar para a posição remota 210 (o número era outro na época, mas o local é o mesmo).

Entrando no pátio de aeronaves, o comandante viu o sinalizador e já foi virando o avião e desligando um dos motores.

Mas algo estava esquisito. Tinha gente demais naquele gate.

Além do sinalizador, tinha um carro com giroflex ligado, um amontoado de pessoas, umas 3 escadas e uns 2 ônibus de desembarque. Parecia desembarque VIP.

Bom, pelo menos eu ia chegar em casa mais cedo.

Quem me dera rs.

Assim que o comandante terminou a curva, o controlador chamou na frequência:

– XXXXX, você está na posição errada. Essa é a 207, e você foi autorizado para a 210.

Putz…

A 207 estava reservada para a seleção, que ia chegar dali a alguns minutos. Por isso aquela estrutura toda (chegando mais perto, deu até pra ver alguns agentes da Polícia Federal).

O comandante tentou ver com o controlador se podia ficar por ali mesmo… Mas o esquema de segurança já estava todo montado. Não teve jeito.

Resultado: tiveram que chamar um carrinho de pushback pra rebocar a aeronave…

Nisso, o avião da seleção chegou e teve que ficar esperando…

Terminado o pushback, o comandante acionou o motor de novo…

Nós demos uma volta no pátio, que já estava completamente congestionado…

E finalmente chegamos ao gate 210.


No livro “O Poder do Hábito”, Charles Duhigg mostra que todo hábito é composto por 3 ingredientes: deixa, rotina e recompensa.

Deixa é o trigger, o gatilho que aciona o hábito.

Rotina é o hábito em si, a sequência de ações tomadas.

E recompensa é o prêmio por ter feito aquelas ações.

Os três formam um ciclo (deixa -> rotina -> recompensa), e um anseio por mais ciclos, para ganhar mais recompensas.

No caso do voo, a deixa foi a tripulação ter avistado o sinalizador.

A rotina foi virar o avião e cortar um dos motores.

E a recompensa seria a sensação de “dever cumprido”.

Só que, na prática… Deu 💩.

E agora? Como evitar que isso aconteça de novo? Devemos mexer na deixa, na rotina, na recompensa, ou em todas?

O mais fácil é trocar a rotina mantendo a deixa e a recompensa.

Ou seja: depois de avistar o sinalizador, bastava mudar a rotina inserindo um passo – conferir o número do gate no chão.

Problema resolvido.

Isso é para mudar um hábito. Para criar um hábito, 5 passos ajudam bastante:

  1. Comece com uma ação bem pequena;
  2. Aumente as ações aos poucos;
  3. Divida as ações maiores em pedaços;
  4. Quando você escorregar, volte aos trilhos rapidamente; e
  5. Seja paciente. Escolha um ritmo que você consegue manter.

Na C.A.B.I.N.E., nós colocamos isso em prática da seguinte forma:

  1. Abra o e-mail e clique no link. Apenas isso.
  2. Já na página, você vai automaticamente começar a ler. Siga o fluxo.
  3. Quando você estiver meio cansado, faça uma pausa. Volte mais tarde ou no dia seguinte.
  4. Se você não conseguir entrar numa semana, quando receber o próximo e-mail, aproveite para estudar o conteúdo atual e o anterior;
  5. Como um novo conteúdo sai apenas 1 vez por semana, se você estiver sobrecarregado, dá tempo de voltar depois e tirar o atraso. Ou, se tiver com mais tempo livre, pode estudar os conteúdos anteriores.

Estou focando bastante nessa questão de hábitos porque eles são muito mais importantes do que a gente imagina. Principalmente pra quem é piloto.

Checklists, memory items (itens pra saber de cabeça em caso de emergência), briefings… Todos eles são hábitos construídos cuidadosamente para aumentar a segurança de voo e diminuir o risco de acidentes.

E as nossas ações do dia a dia têm um impacto exponencial.

Se você tiver o hábito de melhorar o seu conhecimento apenas 1% a cada dia, estará 3.778% melhor ao final de um ano…

… enquanto que, se piorar 1% por dia, vai sobrar apenas 3% após um ano.

Fonte: https://jamesclear.com/habit-guide

Por isso, leve o hábito de estudos a sério.

Assim como os hábitos alimentares e de exercícios físicos determinam a nossa saúde de amanhã…

O hábito de estudos determina a nossa colocação profissional amanhã.

E se você quiser uma ajuda, as portas da C.A.B.I.N.E. estão abertas. Você será muito bem-vindo. 🙂

Um grande abraço!

Bagatini

P.S.: Se você tiver curiosidade de aprender um pouco mais sobre a ciência dos hábitos, o site do James Clear tem uma série de artigos muito interessantes.

Inclusive, foi de onde eu tirei a imagem acima.

Copy link