Como decifrar a cabeça do examinador (Parte 4/7)

Este é o 4º e-mail do curso “Como Aplicar a Estratégia na Preparação para a Prova da ICAO e Processos Seletivos”. Se você gostar, pode ler a sequência completa aqui.

Em 2009, eu estava começando o curso de Ciências Aeronáuticas na FUMEC, em Belo Horizonte.

Pensa em alguém feliz e animado.

Eu finalmente podia respirar aviação 24 horas por dia, e estava cercado de gente com a mesma paixão que eu.

Tinha deixado de ser “aquele cara esquisito” que levava a ICA 100-12 pra ler no meio da aula de biologia…

Pra ser “aquele cara” que conhecia a ICA 100-12!

Enfim rs. Uma das matérias do 1º período era Conhecimentos Técnicos.

Eu gostava bastante da aula. O professor explicava o conteúdo de forma detalhada e era um excelente desenhista (ao contrário de mim rs).

Esquema de um sistema elétrico que ele passou no quadro e eu tentei copiar

Conforme as semanas passaram, a matéria foi acumulando… E chegou o dia da primeira prova.

Eu não sabia como o professor ia cobrar o conteúdo, mas até que as questões estavam razoáveis.

“Devo ter ido bem” – pensei comigo.

Na próxima aula, ele foi devolver a prova corrigida… E a maioria da sala tinha despencado. Inclusive quem sabia a matéria.

Eu mesmo perdi alguns pontos e não sabia por quê.

A sala ficou com aquele clima pesado, e o professor começou a corrigir as questões no quadro e a explicar o critério usado na correção.

Aí as coisas fizeram sentido.

O professor era um engenheiro. E, para um engenheiro, chegar na resposta não basta.

Você precisa demonstrar porque aquela é a resposta certa, qual foi o raciocínio e os cálculos que você fez.

Sem isso… Créu.

Resposta certa e nota zero.

Um ano antes, eu tive a sorte de fazer o 3º ano do Ensino Médio preparatório pro ITA, e o critério de correção era o mesmo (apesar de eu esquecer às vezes, conforme a imagem acima rs).

Então, pra mim não foi difícil entender o que o professor queria. A ficha caiu mais rápido.

Porém, pra quem continuou sem entender ou achava aquilo um absurdo… Foi um inferno.

Teve gente repetindo a matéria 3, 4, 5 vezes (e ela travava mais da metade do curso).


Estou te contando essa história para demonstrar a importância de conhecer a fundo o critério de correção de uma prova.

Qualquer prova.

Na minha história, o professor era engenheiro e, portanto, o critério de correção dele era o de um engenheiro.

No caso do ICAO, o examinador é um professor de inglês.

Ele pode até ser piloto, controlador de voo, astronauta… Mas está ali porque é um professor de inglês.

Se não fosse professor de inglês, não poderia estar ali.

E ele vai te avaliar de acordo com os critérios de um professor de inglês.

Isso significa que, durante a prova, ele vai prestar atenção na sua construção verbal, no ritmo e entonação da fala, na comunicação durante situações inesperadas…

… e não no seu conhecimento sobre flaperons, longarinas, ou sobre o sistema de transferência de combustível do Concorde.

A prova da ICAO não é uma prova de inglês aeronáutico.

A prova da ICAO é uma prova de inglês.

O tema é aeronáutico, mas ela é mais parecida com uma prova desses cursinhos Wizard, Number One,… do que com uma prova de PC, por exemplo.

Você não vai ganhar ponto extra por ter um conhecimento aeronáutico acima da média.

Ele é importante, lógico. Mas o mais importante, o que o examinador quer ouvir, são os seus conhecimentos de inglês.

A sua nota será muito maior se você der uma explicação simples sem hesitar…

… do que se você explicar todo o funcionamento de um motor à reação se embolando no meio do caminho.

Portanto, durante os estudos para a prova da ICAO, foque nos seus erros de inglês. Não se preocupe se faltar um conhecimento aeronáutico aqui ou ali.

Você não vai perder nem um ponto sequer se falar “I’m sorry, I’m unfamiliar with this subject because I only fly smaller airplanes… Could you please explain to me what it is?“.

Já no caso dos processos seletivos, o que o examinador quer ouvir depende do profissional envolvido.

Se for um comandante, impressione ele com os seus conhecimentos e habilidades aeronáuticas.

Se for uma psicóloga, tente convencê-la de que você não é louco e tem os traços de personalidade adequados (assertividade, organização, disciplina, honestidade, competência,…).

E se for um executivo ou empresário, mostre que você não vai dar prejuízo derrubando o avião ou saindo 2 meses depois de concluir o treinamento.

A empatia com os examinadores pode render vários pontos…

… e a antipatia pode tirar vários pontos, caso você se recuse a fazer o que eles querem (como eu já vi acontecer na minha faculdade, nas provas da ANAC, ICAO,…).

É duro dizer isso, mas a nossa opinião sobre o critério de correção não vale nada.

É melhor dizer exatamente o que o examinador quer ouvir e conseguir o ICAO 6 e o emprego dos sonhos…

… do que ter razão e ficar sem ICAO ou emprego.


Com isso, terminamos o conteúdo do curso relacionado à prova da ICAO!

Só faltou fazer um bonequinho vodu pra ANAC dar nota 6 direto ao invés de parar no 5+ e exigir outra prova no Rio.

É o que nós vamos ver amanhã!

Brincadeira rs. Ainda não aprendi a fazer um bonequinho vodu… Mas to quase.

Amanhã vamos começar a ver a estrutura por trás dos processos seletivos.

Respire fundo.

Abraços!

Bagatini

P.S.: Talvez você esteja meio sobrecarregado com a quantidade de coisas que eu venho falando…

Se for esse o caso, que ótimo! Rs

Afinal de contas, estou condensando em 7 dias o eu que demorei 11 anos pra aprender. Se nada do que eu falei até agora foi novidade ou te fez parar pra pensar, tem algo errado.

Então, vá no seu ritmo. Leia os e-mails quantas vezes quiser. Eles são seus agora. Não tem como eu restringir ou cobrar pelo acesso.

Essa é a beleza de um e-mail: você é quem está no controle, não eu.

Aliás, amanhã tem um exemplo engraçado sobre a importância de estar no comando.

Copy link